Provérbios 31:2

Como, filho meu? E como, ó filho do meu ventre? E como, ó filho das minhas promessas?

Play Audio

Atrás de um grande homem sempre há uma grande mulher! E esta não é a sua mulher! Ela é a sua mãe!

O amor e o treinamento de mãe contribuem mais para a formação do caráter para a vida do que dez mulheres! Quando o homem se casa, a maior parte do seu caráter já está formada. A mulher recebe o homem, que a mãe construiu do nada, pela graça de Deus! Aqui temos uma mãe da família real, amorosamente buscando a atenção do seu filho, que se tornou rei. Que as mães e os filhos prestem atenção!

Nós não podemos provar a identidade do rei Lemuel ou de sua mãe (Pv 31:1). Eles poderiam ser Salomão e Batseba; como poderiam não ser. Veja os comentários do dia 31.01. Mas nós não precisamos saber isto para extrairmos grande lucro deste provérbio. Aqui temos uma mãe se dirigindo ao seu filho por inspiração. Portanto, nós confiaremos na sabedoria inspirada em outras passagens para preenchermos os detalhes deste versículo.

As três perguntas repetitivas não são significantes. Lemuel pode ter pedido conselhos à sua mãe, o que resultou nelas. Sua mãe poderia estar procurando as melhores palavras de sabedoria que ela pudesse lhe dar. Ela poderia estar lhe alertando sobre possíveis fraquezas.

Toda mãe nobre conhece bem as palavras! Conhece também a sua origem e intenção! Elas são aspirações apaixonadas brotando de um coração de mãe! Que cada mãe cristã as reaviva novamente! Que cada filho cristão as ouça e as sintam! Aqui temos a mãe exercendo o seu papel!

Podemos ter certeza da afeição revelada nas palavras escolhidas. Ela o chama de filho, o que para uma mãe é um termo muito querido, pelo fato de ter trazido um homem no mundo (Jo 16:21; ICo 11:12). Ela diz: "Você é meu. Deus me deu você. Somos exclusivos na terra. Nenhuma outra pode ser a sua mãe. Eu gerei você e agora você já é homem. Eu me dediquei a você como o meu querido desde a sua concepção. Agora ouça o meu melhor conselho."

Ela o chama de filho do meu ventre. Ela se lembra daquilo que todas as mães sabem - o laço de conceber, carregar e dar à luz um filho. Ela usa este fato simples para descrever a união deles, expressar o seu amor e atrair a sua atenção. Ela diz, "Você é verdadeiramente meu, e de nenhuma outra. Você não foi adotado. Você veio de mim, dentro de mim e por mim. Eu me regozijei na sua concepção. Eu o carreguei alegremente, e eu te amei até mesmo antes do seu nascimento. Eu te alimentei num lugar escondido. Eu alegremente te dei vida e respiração com o meu trabalho de parto. Agora ouça o meu melhor conselho."

Ela o chama de filho dos meus votos. Mais do que os votos matrimoniais, ela se lembra de ter dedicado os seus filhos ao Senhor, assim como fez Ana. Ela fez ele recordar das suas muitas orações e promessas ao Senhor no sentido de ensiná-lo a temer ao Senhor. Ela diz, "Você foi uma dádiva de Deus para mim. Eu o entreguei ao Senhor e à justiça até mesmo antes do seu nascimento. Eu de boa vontade o devolvi ao SENHOR, àquele que me deu você. Eu orei por você naquela época e hoje. Agora, eu peço encarecidamente a realizar aquelas santas ambições que eu tive por você. Ouça o meu melhor conselho."

Salomão descreveu a sua mãe Batseba, como tendo muita afeição por ele. Anteriormente ele já havia escrito a respeito dela, "Porque eu era ... tenro e único em estima diante de minha mãe." (Pv 4:3). Não importa o que viesse, sua mãe era caduca por ele e o amava. Ele dificilmente poderia dar errado; e se ele errasse, o seu amor por ele ainda estaria firme. É essa afeição segura que ajuda os grandes homens! É aqui que as mais carinhosas se separam daquelas autoritárias e eficientes!

A vara e a correção realmente dão sabedoria e mães que abandonam esses meios trarão vergonha sobre si mesmas (Pv 29:15). O seu pedido neste provérbio leva ao ensino (Pv 31:1). E a mãe de Lemuel rapidamente chegará ao seu conselho reprovador (Pv 31:3-31). Mas ela começa com um amoroso apelo de mãe. Ela prefacia as suas instruções e avisos baseados em sua conexão pessoal, biológica e espiritual com ele. Que filho consciencioso resistiria?

Mães devem ensinar os filhos (Pv 1:8; 6:20). Elas devem discernir o bem e o mal desde os seus primeiros dias. Tais lições permanecerão. Mais tarde na vida, muitos homens lembrarão os anos de sua formação, portanto, ela tem uma preciosa oportunidade de criar um grande homem temente a Deus. Mães, não deixem esse privilégio ir para o lixo. Agradeça a Deus pelo tempo abençoado! Em seguida, utilize-a para a Sua glória e virtude verdadeira na terra.

Ao invés de deveres de casa, que contém pouco valor para a vida, boas mães darão ênfase à pureza e às realidades da vida, como esta mãe que passa a alertá-lo contra as mulheres, o vinho e a injustiça (Pv 31:3-9). Em seguida ela apresenta a descrição mais detalhada e prática do tipo de mulher com quem ele deve se casar (Pv 31:10-31). Apenas mulheres sábias podem falar desses assuntos de forma a reter a atenção de um homem jovem; e só esse tipo de mulheres são procuradas pelos seus filhos.

Ana fez um voto, concebeu, carregou, deu a luz, amamentou e treinou um dos maiores homens que jamais serviram ao SENHOR (ISm 1:11,22-28; Jr 15:1). Ela ficou com Samuel nada mais do que cinco anos! Mas ele adorava ao SENHOR naquela tenra idade (ISm 2:28)! Que mãe gloriosa! Que grande filho! Como? Pelos seus votos e útero e treinamento, com a graça de Deus!

Lóide treinou uma filha, Eunice, para que fosse uma santa mulher. Juntas formaram o jovem Timóteo na fé e na Palavra de Deus (IITm 1:5; 3:15). Elas foram tão bem sucedidas que Paulo declarou que Timóteo era o seu ministro no Novo Testamento em quem ele mais confiava (Fp 2:19-23).

Quão grande foi Obede, tendo Noemi e Rute como avó e mãe o criando (Rt 4:13-17)? Quem nutriu Davi de forma a se tornar o homem spiritual, gracioso, corajoso, justo e fiel que ele era? Seriam, porventura, as influências dessas duas mulheres, duas gerações mais tarde?

Se houvessem mais Anas, haveria mais Samuéis? Se houvessem mais Eunices, haveria mais Timóteos? Poderiam uma bisavó e avó moldar outro Davi? Mãe cristã, se você quiser ter um Samuel ou um Timóteo, você tem que ser uma Ana ou uma Eunice. Se o seu pensar é pequeno, mãe, alimentando, vestindo e conseguindo que o seu filho se forme na faculdade, você perderá estas altas honrarias. Elas são reservadas para grandes mulheres.

Mãe cristã, aqui está o seu chamado! Que benção privilegiada a sua, de converter a maldição da concepção e do nascimento para a glória de Deus e à sua alegria (Pv 23:25; Gn 3:16)! Maria agiu com sabedoria com o seu Filho (Lc 2:51; ITm 2:15). O que você está fazendo com os seus? O seu filho dirá, "Ó Senhor, deveras sou teu servo; sou teu servo, filho da tua serva; soltaste as minhas ataduras." (Sl 116:16)?

Nós não encontramos aqui a mãe dominadora, irritante e crítica, que sempre tem a sua maneira própria de realizar as coisas. Que fica desapontada com quase tudo que ele faz. Que se esquece dos verdadeiros pensamentos e ambições de sua mente masculina. Que está ocupada e eficiente demais para amar e paparicar o seu filho. Que está ocupada demais consigo mesmo para poder clamar pela alma do seu filho. Não há chance!

Uma mãe odiosa assim afasta o seu filho dela e da sua casa. A mulher com tendências coléricas desgovernadas ou melancólicas de perfeccionismo, criticismo, eficiência e fala alta, perderá o homem a quem ela deu vida. Ele a rejeitará na medida em que o seu coração encolhe sob o seu questionamento, dureza, desaprovação, e criando confusão a respeito de outras coisas.

Muitos homens são apenas uma fração daquilo que poderiam ter sido se tivessem tido todo o coração da mãe e de uma instrução sóbria. Salomão foi um filho "tenro e único em estima" à vista de sua mãe. Que perda, tanto para a mãe quanto para o filho! Que oportunidade perdida! Quanta perda!

Com o tempo, o seu filho aprenderá a maneira certa de fazer as coisas. Porque não lhe dar a afeição amorosa que engrandece o seu coração, eleva a sua alma, ergue a sua cabeça e abre as suas asas para se tornar um grande e nobre homem? Enchem-no de confiança, fé e poder de forma a se tornar virtuoso! Dê-lhe o amor que nenhuma mulher pode substituir! Construa a sua coragem e nobreza como uma montanha! Seja a grande mulher atrás de um grande homem! Produza um filho homem para a maior grandeza da glória de Cristo!

Leitor, se você teve uma mãe piedosa, dê graças ao céu e para ela. O amor dela foi o melhor que você jamais conheceu? Dificilmente! Ouça com quem o nosso abençoado SENHOR se comparou quando falava dos Seus filhos. "Pode uma mulher esquecer-se tanto do filho que cria, que se não compadeça dele, do filho do seu ventre?" (Is 49:15). Dificilmente! Mas poderá! E por isso o nosso SENHOR abençoado declara, "Mas, ainda que esta se esquecesse, eu, todavia, me não esquecerei de ti (Is 49:15). Obrigado, Deus!