Provérbios 29:12

O governador que dá atenção às palavras mentirosas achará que todos os seus servos são ímpios.

Play Audio

Líderes promovem o bem ou o mal pela sua influência. A autoridade carrega responsabilidade, pois o pecado de um no governo levará muitos a pecar também, devido ao poder que ele tem sobre uma nação. Como o príncipe, tal qual o povo. Como uma revoada de cegonhas segue apenas um que alça voo, assim são também as nações.

Quando um governante civil aceita ou permite mentiras ou outras formas de corrupção, o seu gabinete e em seguida o seu governo e em seguida sua nação o seguirão. Aquele que pecou uma vez agora é culpado por muitos pecados. Não importa se o que foi dito o foi oficial ou extraoficialmente, os cidadãos seguem o exemplo.

Salomão ensinou o seu filho acerca da ciência política. Para prover um governo piedoso no futuro, ele alertou a respeito do poder da influência, de cima para baixo. Dois fatores multiplicam os pecados de um governante - escândalo e exemplo - a notícia voa mais rápido e mais longe, e muito a seguem.

Mentir é um pecado escolhido, apesar de que a regra se aplica a qualquer perversidade permitida por aqueles em autoridade. Líderes precisam ser homens da verdade (Pv 16:13; 17:7; 12:19). Se não exigirem a honestidade e a verdade em seus negócios, a desonestidade se espalhará por toda a parte. Líderes são bajulados constantemente, mas eles não devem dar qualquer atenção para tais mentiras para que isto não contamine os outros.

Governantes estendem a perversidade por delegação. Eles escolhem e nomeiam homens a cargos em seu governo que têm moral e agendas semelhantes, que influenciam grandemente o caráter daquela administração e assim a nação. Um governante que dá ouvidos à mentira não terá escrúpulo algum em selecionar homens a cargos que o bajularão com mentiras ou serem desonestos em outras questões.

Governantes estendem a perversidade por convite. Oficiais sabem que a autoridade deles exige grande cuidado para com a precisão e a veracidade em suas operações. Mas quando o cabeça do governo aceita a desonestidade, então ele convida homens menos escrupulosos com ambições corruptas para promoverem seus programas por engano ou fraude.

Governantes estendem a perversidade pela imitação. Como crianças que aprendem vendo os seus pais ou os seus irmãos mais velhos, assim os subordinados aprendem a importância da honestidade pelo exemplo dos seus líderes. Nestas circunstâncias, o rei da Pérsia, Assuero, se divorciou da sua rainha Vasti, para preservar a ordem marital em seu império (Et 1:10-20).

Governantes estendem suas perversidades na tentativa de agradarem. Se um governante permite a desonestidade, aqueles buscando o seu favor se sentirão livres para dizer qualquer coisa para impressioná-lo. O desejo de agradar um governante corrompe por si só, mas se agrava se o governante é perverso (Pv 23:1-3). Como o rei Acabe mentiu, seus profetas mentiram loucamente para agradá-lo (IRs 22:2-12). Doegue também ganhou o favor de Saul por maldade.

Governantes estendem suas perversidades por associação. Diga-me com quem andas e eu te direi quem és. Quando a mentira é estimulada, mentirosos se reunirão em direção à origem da liberdade e da proteção. Tão certo quanto os urubus que se reúnem em volta de uma carcaça, assim os mentirosos se reunirão junto a um oficial corrupto. Os homens da verdade odeiam mentirosos, e mentirosos odeiam homens da verdade, assim ocorrerá, rapidamente, uma divisão política.

Governantes estendem suas perversidades por eliminação. Quando as mentiras são aceitas e/ou usadas, tal posição em direção à perversidade leva os homens de bem a se conterem, esconderem ou deixarem suas posições (Pv 28:12,28; 29:2). Assim, sem que haja um ataque aparente, os homens honestos são removidos de suas posições de influência. O período de obscuridade de Daniel no reinado de Belsazar ocorreu pela direção pecaminosa do rei (Dn 5:10-16).

Governantes estendem suas perversidades por negligencia. Subordinados precisam proteger os seus superiores das mentiras. Porque não fariam isto? Eles precisam garantir os seus empregos! É mais fácil rodar com os outros na correnteza do que nadar contra a correnteza riacho acima, afirmando que idéias bem apresentadas são mentiras. Eles são conselheiros perversos, ajudando a destruir seu rei, da mesma forma que conselheiros provam isto nos dias de hoje.

É seu dever proteger aqueles em cargos de autoridade das mentiras. Empregados precisam proteger empregadores das mentiras, seja qual forem suas origens, mesmo que o patrão esteja encantado por uma falsa idéia. Crianças não são mexeriqueiras, quando eles informam os pais de um irmão que está mentindo. Devido às limitações humanas, aqueles em autoridade precisam de pessoas à sua volta para protegê-los dos esforços dispendidos para enganá-los.

Ao invés de ouvir ou contar mentiras, líderes ocupando altos cargos precisam ser homens da verdade que diligentemente investigam as questões (Êx 18:21; Pv 25:2). Eles nunca deveriam tolerar uma mentira (Pv 12:22). Davi era um rei assim, e ele não admitia homens desonestos perto de si (Sl 101:3-8). É este zelo criterioso por justiça e verdade que preserva os governantes (Pv 16:12; 20:28).

Davi odiava mentiras, mesmo quando usadas para bajulá-lo a respeito do seu justo ofício de rei. Um tolo amalequita mentiu para Davi dizendo que ele havia encontrado o rei Saul ferido e o tinha matado. Ele contou essa mentira na esperança de se aproximar de Davi e ganhar uma posição ou uma recompensa. O que foi que Davi fez? Ele o matou por haver tocado num rei ungido por Deus (IISm 1:1-16).

Honestidade e verdade é apenas parte da justiça que sofrerá sob um governante compromissado ou perverso. Salomão também ensinou que era tolice destruir distinções econômicas e profissionais determinados de cima para baixo (Ec 10:5-7). Uma olhadela à maioria dos governantes e nações demonstraria que o caráter de seus líderes se espalha para baixo.

Esta regra de sabedoria também é a verdade em reverso. Um líder com conselheiros perversos corromperão sua própria integridade e a sua administração (Pv 22:4-5; ICo 15:33). Desta forma, uma primeira dama perversa é perigosa, como foi Jezabel com Acabe (IRs 21:25). Com base nisto, Salomão sabiamente deu ordens, no início do seu reinado, para eliminarem Abiatar, Joabe, Simei e Adonias.

Esta lição também se aplica aos pais. Qualquer concessão que vocês fazem irá se multiplicar. Grandes hipócritas geram pequenos hipócritas. Se você honra ou protege uma filha que peca, você promoverá o pecado entre os seus filhos, não importa o que você diga. Crianças aprendem mais com a imitação do que com a educação. Havia um provérbio em Israel que dizia, "Como a mãe assim é a sua filha". Pais, fiquem atentos.

Para salvar as igrejas de Deus desta regra sábia da influência corruptora, Paulo recomendou a Timóteo para tomar cuidado com a sua própria vida, pois se não fizesse isso corromperiam aqueles sob seus cuidados ministeriais (ITm 4:16). E quando ordenasse homens para o cargo de ministros, ele deveria tomar bastante cuidado para só ordenar homens puros e imaculados (ITm 5:22).

Jesus Cristo é fiel e verdadeiro; Ele é um Rei que odeia mentiras e mentirosos. Ele os lançará num lago de fogo (Ap 21:8,27). Pelo fato de amar a justiça, Deus exaltou o cetro e o trono do reino do Seu filho para sempre (Sl 45:6-7; Hb 1:8-9). Coloque toda a sua confiança Nele neste tempo presente e na eternidade. Ele subverterá todos os reis mentirosos (Ec 5:8; Ap 2:26-27).