Provérbios 27:21

O crisol é para a prata, e o forno, para o ouro, e o homem é provado pelos louvores.

Play Audio

Prata e ouro foram identificados, separados e refinados de suas impurezas num cadinho ou numa fornalha. Ali sob o efeito de grande calor, os metais básicos foram separados dos metais preciosos. O resultado final do processo a quente sobrou o metal puro que estava pronto para ser usado em jóias finas.

O louvor é uma prova de fogo para os homens (Pv 17:3). Se um homem tem um caráter baixo ou fraco, o louvor fará com que ele fique orgulhoso, soberbo e autoritário. Se um homem tem um caráter precioso ou forte, ele não será afetado. Ele continuará em seu caminho modesto e humilde, dando glória a Deus e agradecido por qualquer bem que ele possa fazer em prol dos outros.

O louvor cria um teste severo para a alma. O louvor revelará que tipo de pessoa você é. Ele revelará um espírito de humildade piedosa ou um espírito de orgulho diabólico. Você suspira pelo louvor dos homens? Ele aquece a sua alma? Ou você sabe muito bem que não é verdadeiro! Você o teme? Você entende bem que aquilo que você tem é uma dádiva de Deus?

Leitor, o que é que você tem que não lhe foi dado? Se aquilo que você tem é uma dádiva de Outro, como é que você pode ter orgulho ou se gloriar nele, como se fosse uma realização sua? A única diferença entre você e os outros é a dádiva de Deus (ICo 4:7). Dê graças a Ele!

Aqueles que são ensinados pelo Espírito de Cristo reconhecerão o grande perigo do louvor. Nós devíamos carregar uma placa com a informação de que somos inflamáveis, de forma a manter o calor ou a faísca de louvor à distância. Nós devemos temer o louvor mais do que a repreensão, pois um produz os bons frutos de humildade e instrução, e o outro pode gerar a nossa ruína pelo veneno mais aprazível! Uma semente de orgulho permanece ativa na maioria das almas santificadas, e só um pouco de louvor pode ser água suficiente para que ela tenha um desenvolvimento, de tal forma, grande e rápido que sufocará os frutos e trará juízo.

Nós já fomos advertidos a respeito do louvor neste capítulo. Em primeiro lugar fomos ensinados a deixar que os outros nos louvem e não ficarmos à busca de palavras (Pv 27:2)! Em segundo lugar, fomos ensinados que a repreensão e os ferimentos de amigos são melhores do que o amor e os beijos de inimigos aduladores (Pv 27:5-6). Em seguida fomos ensinados a ignorar o louvor e a adulação excessiva, pois é mais parecido com uma maldição (Pv 27:14). Você entende e pratica cada um desses avisos a respeito do louvor?

Davi, depois de ter matado Golias, poderia ter escrito a sua própria história! A opinião pública teria lhe garantido o trono; afinal de contas ele tinha sido ungido rei (ISm 16:1-13). Mas ele disse a Saulo que ele era apenas um filho do servo de Saul, Jessé, um belemita (ISm 17:58)! Quando lhe foi oferecido a filha de Saul, ele considerou muito alta a honra (ISm 18:17-24). Ele foi totalmente gracioso apesar da adulação geral e conquistou o coração de Jônatas (Pv 22:11).

Mas Saul ficou com inveja do fato que o seu louvor era menor do que o de Davi; (ISm 18:6-11) e Absalão, acostumado com o louvor, usou o mesmo para roubar os corações dos homens fracos de Israel (IISm 14:25; 15:1-6). O orgulhoso Herodes deveria ter caído sobre o seu rosto e repreendido os lobistas mentirosos (At 12:20-23). Diótrefes recebeu uma repreensão severa de João por amor à preeminência (IIIJo 1:9).

Faltaria tempo de escrevermos a respeito do caráter dourado de José, Daniel e dos apóstolos do nosso Senhor Jesus. Os dois primeiros não deixaram que as suas posições afetassem os seus espíritos modestos e santos; e o segundo grupo, que tinha poderes milagrosos para curar e ressuscitar foram louvados como deuses, mas energicamente rejeitaram tal atenção (At 3:11-12; 10:25-26; 14:11-18; 28:1-6).

Devido à natureza do ofício de bispo, um candidato não poderia ser um novato, para evitar que o público admirasse a sua obra (ITs 5:13) E se tornasse uma armadilha para a sua alma (ITm 3:6). Satanás ficou inchado pela sua elevada posição e aspirava ser como o Altíssimo (Is 14:9-15), e ele é um exemplo perpétuo do perigo do orgulho e da severa condenação do orgulho pelo Senhor.

Mas compare o nosso abençoado Senhor, que deixou o seu trono da glória para se tornar um servo entre os mortais (Fp 2:5-8). Ele até pedia que os Seus gloriosos milagres não fossem divulgados, pois Ele não tinha o menor interesse no louvor dos homens (Mc 7:36). O sábio homem Agur, considerava a si mesmo horrivelmente bruto (Pv 30:1-3). Salomão se considerava uma criança (IRs 3:7). E o maior dos apóstolos se considerava o menor dos santos (Ef 3:8).

Se prepare com antecedência, caro leitor, para quando o mortal elixir lhe for servido você puder educada e corretamente apontar em direção ao céu, de onde provém todas as bênçãos.