Provérbios 25:20

O que entoa canções junto ao coração aflito é como aquele que se despe num dia de frio e como vinagre sobre salitre.

Play Audio

Temos aqui sabedoria inspirada quanto ao cuidado para com os desanimados. Não importa o que a sua mãe lhe ensinou ou o que você leu num livro de psicologia. Temos aqui conselho celestial sobre como amar pessoas feridas. Você pode achar que a sua aproximação alegre deveria elevar os seus espíritos, mas seria melhor roubar o agasalho deles num tempo frio ou arruinar nitrato com o vinagre. Você é um miserável consolador, e o seu pobre amigo estaria numa situação melhor sem você.

Se você gosta de figuras de linguagem, temos quatro deles aqui neste provérbio. Temos dois símiles, uma metáfora e uma metonímia para ser analisados. As palavras "coração aflito" é uma metonímia, o que substituiu uma pessoa desanimada ou atribulada. Há mais do que um simples coração envolvido, pois o provérbio está tratando de uma pessoa afligida. A substituição de uma pessoa afligida por "coração aflito" encurta a sentença, mas amplia a questão.

Entoando canções é uma metáfora, a qual é usada para condenar qualquer abordagem leviana ou frívola a uma pessoa desanimada. O homem com um coração pesado não precisa que alguém cante hinos para ele. Esse tipo de tratamento insensível é como uma espada em seus ossos. Ele tampouco precisa de superficialidades, gracejos, histórias, comentários triviais, ou uma atitude jovial em sua presença. Na realidade, essas abordagens são aviltantes, irritantes e contraproducentes.

Eles são tão aviltantes, irritantes e contraproducentes como o tirar o agasalho de um homem numa temperatura fria. Ao invés de ajudá-lo a se aquecer, você tira dele a pouca proteção que ele tinha e o deixa numa situação pior do que já estava! Que crueldade! Uma abordagem leviana e frívola também é tão negativa e contraproducente quanto o arruinar carbonato de sódio com vinagre, que numa outra situação só serviria para lavagem. Estas são símiles como indicado pelos advérbios "como".

As suas idéias a respeito de como amar pessoas feridas não valem nada. Nem Deus nem os homens estão preocupados com o fato de você estar alegre e jovial quando se depara com ruína e tristeza. Nem Deus nem os homens estão preocupados de que você está otimista e alegre enquanto que os outros estão temerosos e preocupados. Você está totalmente errado a respeito da vida e logo, logo, você vai se lamentar (Ec 7:1-6; 12:13-14). Temos aqui a sabedoria inspirada; você deve se simpatizar com aqueles que estão desanimados ou chorando. Você deve chorar com aqueles que choram e sofrer com aqueles que sofrem (Rm 12:15; ICo 12:26).

Uma taça de vinho é muito melhor do que o seu matraquear fútil, perguntas sem sentido, tentativas de fazer graça, otimismo ignorante, risadas sobre lembranças, táticas diversionistas ou sugestões estúpidas (Pv 31:6-7). Já parou para considerar que ninguém lhe convidou num momento de necessidade? Você deveria estar pensando nisso. Não pense mais. Eles querem solidariedade compassiva e inteligente, exatamente o oposto de sua abordagem tola e leviana.

Quando você conversa com pessoas receosas, pesarosas ou sofredoras, elas estão profundamente feridas pelas suas dores que nada tem a ver com você. Seu matraquear tolo traduz para eles que você não entende, não se importa, e que se esquecerá dele no mesmo instante em que você vai embora. Eles não conseguem acreditar que você seja tão calejado, imaturo, insensível e rude na hora de maior necessidade deles. Ao invés de apreciarem a sua presença, eles mal podem esperar você ir embora, para que tenha algum conforto dos seus verdadeiros amigos ou mesmo da quietude da solidão deles!

Acima de tudo, os ministros de Cristo devem ter um comportamento de compaixão e cuidado para com aqueles que sofrem (Hb 5:2). Mesmo sobrecarregado com muitos deveres e restrições de tempo, as aflições dos outros não podem ser tratados de uma maneira comercial ou formal. Deve se separar um tempo para sentar com o desencorajado, sentir a dor do seu sofrimento, a perda daquele que chora, compreender o terror do que sente medo, ou imaginar a tristeza daquele que sente culpa. É de pouco valor a visita eficiente a um coração quebrantado com ligeiras orações ou conversa casual.

A verdadeira compaixão se junta à pessoa ferida e assume os seus temores, dores ou as preocupações que estão sentindo (Hb 13:3). Simpatia empática é a ação de se colocar a si mesmo como se estivesse na situação do outro e sentir as circunstâncias que os afeta. Esse é o verdadeiro amor cristão (ICo 13:4-7; 12:25-26). Qualquer outra abordagem, desde o evitar aqueles que estão sofrendo a até tratar superficialmente das suas dificuldades, demonstra um espírito egoísta que não conhece o amor de Cristo. Você está socialmente incapacitado conforme definição do Espírito de Deus e da sabedoria do céu.

O Senhor Jesus Cristo. O único Homem perfeito que este mundo já viu, teve grande compaixão daqueles com corações aflitos (Mt 14:14; 20:34; Lc 7:13; Jo 20:15). Ele jamais cantou hinos para eles; Ele assumiu as suas dores sobre Si mesmo e os consolou (Is 53:4; Mt 8:17; Jo 8:11). Ele se condói das suas tentações e provações da maneira mais profunda possível e você deve estar disposto e capaz de assim fazer com os outros (Sl 103:13-14; Hb 2:17-18; 4:14-16).