Provérbios 19:2

Não é bom proceder sem refletir, e peca quem é precipitado.

Play Audio

Se ignorância é a glória, ela só o é em questões de liberdade (ICo 10:25-27; Rm 16:19). E se a pressa é uma virtude, ela só o é na questão de obediência a Deus (Sl 119:60).

Assim, tanto a ignorância quanto a pressa são condenados pelo nosso provérbio, que registra quais são as características do tolo, em continuação do provérbio anterior. Antes da tomada de decisões e as ações serem iniciadas, o Pregador exige uma análise cuidadosa. A pressa é a inimiga da perfeição! Se os outros caçoam de você por ser cauteloso e por desejar mais informações, ignore os lunáticos!

Os tolos não tem ânimo para aprender (Pv 17:16), e são impulsivos por natureza. Eles atropelam decisões e ações sem conhecer os fatos e, por isso, são justamente punidos. Os homens sábios não creem em tudo (Pv 14:15), e não são precipitados em nada (Pv 14:29; 18:13; 25:8). Eles olham à frente para ver o que poderia acontecer, mas os tolos se apressam para a dor (Pv 22:3; 27:12)!

O Novo Testamento também ensina o conhecimento e a precaução. Paulo condena a ignorância, pois ele exige a comprovação de todas as coisas (ITs 5:21; At 17:11). Os homens sábios analisam as questões de todas as direções - eles são cautelosos (Ef. 5:15-17). E Paulo adverte, ainda, a respeito da pressa como sendo o pecado irrefletido dos tempos perigosos dos últimos dias (IITm 3:4).

A nossa geração endossa casamentos baseados exclusivamente em emoções; mas o nosso provérbio exige que também haja conhecimento. Quantos divórcios e casamentos problemáticos poderiam ser evitados se tão somente se buscasse mais informações a respeito do outro partido? E quando a pressa é acrescida à mera emoção, a tolice e a dor merecida seguirão. Cinquenta anos em um inferno marital é muito tempo!

Pais, especialmente os pais, deveriam ditar as regras de encontros e namoros. E deveriam ser ativamente envolvidos no processo de verificação. Uma pessoa jovem, solteira, não tem a mínima noção a respeito de casamento e ele ou ela precisa da soma da sabedoria e da experiência de seus pais para salvá-los de grande dor. Para se precipitar impacientemente num abismo assim é o cúmulo da tolice.

Outros tomam decisões sobre investimentos e negócios por puro otimismo tolo ao invés da precaução e do sábio conselho! E eles são punidos por causa disso. Trabalho pesado num emprego entediante sempre traz melhores resultados do que apressadamente agir em cima de vãs idéias (Pv 12:11; 21:5; 28:19,22).

Muitos se afiliam a igrejas sem examiná-las pelas Escrituras de pura preguiça ou para agradar amigos ou familiares. Pastores pregam a respeito de coisas que não estudaram profundamente. Mas quando o Senhor vê tal pressa ignorante na Sua adoração, Ele o cega para com a verdade enviando desilusões e mentiras (IITs 2:9-12). Pressa ignorante em matéria de religião é terrível; um composto pecaminoso!