Provérbios 15:27

O que se dá à cobiça perturba a sua própria casa; mas o que aborrece a peita viverá.

Play Audio

O desejo de ser rico é um perigo para um pai de família. Ele será tentado para aceitar suborno ou comprometer a justiça, o que trará problemas para a sua mulher, crianças e propriedades. Mas o homem que odeia o suborno ou o comprometimento financeiro preservará a fará prosperar a sua família.

A avareza é ambição excessiva e o desejo cobiçoso de adquirir mais do que você tem ou que deva, razoavelmente, esperar (Pv 1:19; Is 56:11). Ganho é sucesso financeiro ou riqueza. O provérbio condena o desejo de ser rico, o que leva a comprometer a santidade e a sabedoria.

Os presentes aqui são subornos, que são dados para pagar um homem para comprometer a lei ou a sabedoria financeira (Pv 29:4; Êx 23:8; Dt 16:19; Is 33:15). Um homem virtuoso odiará tais presentes, pois ele não venderá a sua integridade ou a aprovação de Deus por preço algum.

Há muitas tentações associadas com o desejo de sucesso financeiro e elas frequentemente trarão dor e problemas à família do homem. Mas o homem que está contente com o seu salário e que nunca consideraria trapacear por qualquer vantagem, protegerá e prosperará a sua família.

Além dos subornos, o desejar riquezas traz tentações para o comprometimento em negócios, quebra da lei, violação da sabedoria financeira, excesso de trabalho, ser tentado por investimentos fraudulentos, maus tratos de empregados, trapacear no dar, negligenciar a caridade, crescimento exagerado, roubar a família de afeição e tempo, esquecer-se da sua alma, se preocupar pelo dia de amanhã, ser mentalmente carnal, excessivamente associado com o mundo, ficar inchado, desprezar os outros e numerosos outros pecados. Aqui está o aviso sóbrio de Paulo: (ITm 6:9-10)

Os ministros de Deus não podem cobiçar ganhos, pois tais homens comprometerão a justiça ou o evangelho por causa de salário (ITm 3:3,8; 6:6-10; Tt 1:7). Essa regra se compara com a exigência de Moisés no sentido de que os líderes de Israel deveriam ser homens que odiassem a avareza (Êx 18:21). E João Batista disse para os soldados romanos em seu batismo de que deveriam se contentar com os seus salários (Lc 3:14).

Duas coisas custam aos investidores e homens de negócio - a ganância e o medo: a ganância causa destruição e o medo faz com que perca ganhos potenciais. O medo é melhor do que a ganância (Pv 14:23; 21:5; 22:3; 28:11,19,22). Não existem refeições grátis: homens sábios rejeitam até lanches baratos, sabendo que eles são indutores ao erro. Touros e ursos podem produzir dinheiro em qualquer mercado, mas os porcos terminam por comer rejeitos.

Leitor, quanto tempo você gasta pensando em uma forma para progredir? Seria meramente um desejo de fazer com a sua capacidade de fazer aquilo que Deus tem dado a você (Ec 9:10)? Ou é uma obsessão de subir na estima do mundo através do aumento financeiro (Pv 18:11)? Esteja avisado!

Você é tentado em qualquer área de sua vida a se comprometer de forma a crescer? Em qualquer das áreas relacionadas acima? Homens santos estão contentes com aquilo que têm, pois eles estimam o Senhor e a Sua palavra são as suas porções para sempre (Sl 19:10; 73:25-26; 119:11; Hb 13:5-6). E suas famílias serão abençoadas na terra por tais homens nobres e virtuosos (Pv 11:21; Is 65:23).